top of page
  • Foto do escritorMariele Hertha

Relação entre ter Animal de Estimação, Morar Sozinho e o Declínio Cognitivo (Demência) em Pessoas com Mais de 50 Anos de Idade

Atualizado: 21 de fev.

Idoso caminhando com um cão

À medida que a população envelhece e a expectativa de vida aumenta, a deterioração da função cognitiva em idosos torna-se um importante problema de saúde pública.


Estima-se que o número de pessoas com demência em todo o mundo aumentará de 57 milhões, em 2019, para 153 milhões em 2050.


A deterioração da função cognitiva prejudica gravemente o bem-estar dos indivíduos e traz um enorme fardo para os seus cuidadores, bem como para os sistemas financeiros e de saúde da sociedade.


Infelizmente, nenhuma terapia eficaz está atualmente disponível para reverter com sucesso o declínio cognitivo ou tratar a demência.


Assim, identificar populações de alto risco e fatores de risco modificáveis é crucial para formular intervenções de saúde pública e promover um envelhecimento saudável.


Nas últimas décadas, a proporção de indivíduos que vivem sozinhos tem apresentado uma tendência ascendente.


Estudos têm demonstrado que idosos que vivem sozinhos apresentam alto risco de desenvolver demência.


E esse número aumentará, dado que a proporção de idosos que vivem sozinhos está aumentando.



Atualmente, é fundamental identificar fatores modificáveis que reduzam o risco de demência em idosos que vivem sozinhos.


A solidão é um potencial mediador na associação entre viver sozinho e demência entre idosos.


Por outro lado, ter animais de estimação (por exemplo, criar cães e gatos) está relacionado com a redução da solidão, um importante fator de risco para demência e declínio cognitivo.


Neste estudo de corte com 7.945 participantes com 50 anos ou mais, a posse de animais de estimação foi associada a taxas mais lentas de declínio na memória verbal e na fluência verbal entre indivíduos que vivem sozinhos.


Portanto, na falta de um tratamento eficaz de cura para a demência, é importante adotar medidas de mitigação de riscos.


Ter um animal de estimação, no caso de pessoas com 50 anos ou mais, compensou a associação entre viver sozinho e o declínio das taxas de memória verbal e fluência verbal.


Fonte: Li Y , Wang W , Zhu L, et al. Posse de animais de estimação, morar sozinho e declínio cognitivo entre adultos com 50 anos ou mais. Rede JAMA aberta. 2023;6(12):e2349241. doi:10.1001/jamanetworkopen.2023.49241



© 2024 HERTHA Psiquiatria. Todos os direitos reservados. O material do blog pode ser reproduzido livremente, desde que citada a fonte.

5 visualizações

Comments


bottom of page